Alexandre Domingues Barnabé, ex-secretário de Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo, foi condenado a 9 anos de prisão por lavagem de dinheiro, peculato (utilizar o cargo para se apropriar de bens ou dinheiro) e por ter atrapalhado as investigações. Ele também terá seus bens tomados pela justiça.

Segundo denuncia do Ministério Público de São Paulo, Barnabé possuía uma empresa de transporte com Roberto Tasso Martinelli, a então JR Brasil Viagens e Turismo. A companhia estava em nome de Martinelli para que não houvesse impedimento em participar de licitações realizadas pela prefeitura.

A empresa participou e ganhou licitação de transporte público com a prefeitura. Barnabé criou então um esquema para desviar combustível da administração do município para ônibus da sua companhia, quando no contrato a JR deveria arcar com os custos do óleo diesel utilizado.

Ao saber que estava sendo investigado pelo MP, o ex-secretário teria tentado esconder o seu patrimônio da Justiça para diminuir o valor de eventual ressarcimento aos cofres públicos. Martinelli também terá que pagar 45 dias multa.

'Cada dia-multa deverá ser calculado no valor máximo unitário de cinco vezes o valor do salário mínimo vigente, devendo ser triplicado o seu valor final', estabeleceu a sentença do juiz Marcio Ferraz Nunes.